Início Cultura Museu do Azulejo de Berardo, em Estremoz, só fala do futuro porque...

Museu do Azulejo de Berardo, em Estremoz, só fala do futuro porque ele não se lembra de onde é que vieram os azulejos

-

Apesar de se chamar museu, há pouca história no Museu do Azulejo em Estremoz, que Berardo irá inaugurar uma vez que pertence à empresa onde trabalha. Berardo terá tido um papel importante na construção daquele museu, que até leva o seu nome. 

“Leva o nome do nosso funcionário porque foi ele que se lembrou disso e até foi ele que arrancou a maioria dos azulejos dos prédios, à noite, sujeito a ser apanhado pelas autoridades, arriscando-se a não lhe acontecer nada”, explica o próprio Joe Berardo, administrador da empresa.

A verdade é que este museu é, ao contrário da definição de museu, virado para o futuro, porque Berardo não sabe como é que arranjou os azulejos. “Foi há muito tempo, não tenho memória”, explica. 

O Imprensa Falsa esteve já esta tarde no museu e junto a um painel muito bonito, maa descrição não explica o que se está a ver. “Painel de Santo António, não se sabe de quem é, muito menos de onde veio, para todos os efeitos é da fundação e depois deve ir para uma empresa”, pode ler-se.