Greve termina quando os portugueses já transportam mais matérias perigosas na mala do que os camiões na cisterna

Chegou ao fim a greve dos motoristas de matérias perigosas, numa altura em que já não se percebe bem quem são os motoristas de matérias perigosas, isto porque já há automobilistas com mais combustível na mala do que os camiões na cisterna.

“Quanto leva aí?”, perguntava um automobilista, este domingo, para um motorista de matérias perigosas. “35 mil litros de diesel”, respondeu o motorista e o automobilista riu-se. “37 mil tenho eu ali, mas tenho mais em casa”, explicou.

O caso é tão grave que, se os automobilistas se lembram de entrar em greve, as consequências para o país podem ser ainda maiores.