Depois de tentar apanhar o Metro em Lisboa, Greta promete não voltar a queixar-se do tempo que o veleiro leva a atravessar o Atlântico

Depois de ter saído de Nova Iorque em direcção à Europa, Greta Thunberg andava muito desanimada com o tempo que as viagens de veleiro levam.

“Por amor de Deus, dai-nos um motor, assim daqueles grandes, V12, a diesel, e põe isto a andar que nunca mais é sábado”, terá mesmo afirmado a jovem sueca, durante a travessia.

No entanto, em Lisboa há poucas horas, a activista mudou de opinião e considera agora o veleiro praticamente supersónico. Foi sobretudo depois de tentar apanhar o Metro para fazer duas estações.

“Penso que de veleiro, mesmo sendo necessário abrir um canal uma vez que não há água aqui, já lá estávamos”, afirmou a jovem, visivelmente incomodada e a salivar por um automóvel, mesmo que não fosse eléctrico. “Senhoras e senhores passageiros, há perturbações na linha amarela”, informam.

“Ah, desisto, o DiCaprio que continue com a luta porque eu não estou para isto”, concluiu.