“Carta ao Manuel”: Portugal já respondeu ao jovem

Portugal respondeu esta segunda-feira à carta que o jovem Manuel lhe escreveu ontem. O Imprensa Falsa reproduz o texto na íntegra.

Querido Manuel,

Obrigado pelas tuas palavras e pela tua preocupação para comigo, que me emocionaram bastante. Já não me emocionava tanto desde a Expo 98, espectáculo a que tu não assististe porque não eras nascido e não vale a pena ires aprender agora porque te dizem que foi uma feira que existiu antes da Web Summit.

Mas deixaram lá ficar um Pavilhão com o meu nome, até que um dia lhe chamem Pavilhão Cerveja Cintra, claro.

Escuta, Manuel, eu não tenho 17 anos. Tenho 876 e gamaram-me na idade, porque eu sou mais velho, mas se dissessem a idade verdadeira eu não podia ter ido jogar para o Portucalense quando cheguei cá.

Com esta idade já vi bastante, como calculas. Mas reconheço que, com a tua idade, estava como a maioria dos teus amigos, a cagar-me para mim. Desculpa a linguagem mas a gente chega a velhos e acha que pode dizer tudo e que até ficamos mais jovens.

Eu com a tua idade só estava bem a andar ao estalo. Não podia aparecer aí ninguém que pumbas, era logo à porrada. Eu até nem sei se não terei andado à pêra com pessoal da tua família, se for o caso, desde já as minhas desculpas, mas às tantas não dava para perguntar nada.

Certo é que este meu temperamento também teve consequências e quando tu hoje me perguntas por que raio é que eu estou assim, deste modo? Estou dorido. Foi muito século à porrada, Manuel. E não foi aquela porrada à porta do Pedro Nunes nem nos bares em Santos. Eram batalhas campais. No outro dia fui fazer um raio-X e o médico disse-me que eu não tinha as clavículas.

Mas vou responder às tuas questões, tentar pelo menos, porque a minha memória já me falha. Se a do avô falha, imagina a do teu país.

Ora, já não se ensinam os meus feitos históricos e agora é mais que não há diferenças entre rapazes e raparigas porque justamente é mais fixe. Só tu é que te preferes meter numa caravela quando te podes meter no balneário das gajas. Podes ir pôr o maiô para o meio delas, mas queres é saber do Adamastor. Por favor, não me levas a mal a franqueza.

Sobre os rendimentos, tiro-te mais hoje do que alguma vez tirei derivado da fisioterapia, que é muito cara e eu estúpido não fiz seguro. Não foi por ser estúpido, quando eles apareceram já não me faziam derivado da idade.

Onde é que andam os grandes governantes a que te habituei? Bom, tu com 17 anos já apanhaste o Barroso, depois o Santana, entretanto o Sócrates, depois o Passos e agora o Costa. Se estiveres a falar do Barroso, foi para a Goldman Sachs. O Santana anda por aí. O Sócrates está com um pé na prisão e outro na indemnização. O Passos diz que o viram em Massamá e o Costa está em São Bento, para mal dos teus pecados, se bem percebi.

Relativamente a mudanças de sexo, concordo que devia ser mais tarde. No meu tempo, os jovens também podiam escolher órgãos mas eram quase sempre da Yamaha e só recebiam depois de pelo menos um ano no piano.

Sobre a eutanásia e o aborto, não sou a melhor pessoa para falar sobre isso, pois para chegarmos aqui tive de eutanasiar muitos indivíduos e estavam quase todos saudáveis. À medida que fui envelhecendo, sim, faz-me pena, mas na tua idade… E tu pensa lá, do que já ouviste sobre a carta que me escreveste, não sentiste aquela vontade de fazer saltar umas cabeças tipo rolhas de champanhe? Pois, são as hormonas. Não é política, é biologia.

Depois falas em Tancos, esse golpe foi baixo. Também já deixaste fugir o teu labrador, que eu sei. E sentiste uma profunda revolta por te culparem, pois não foste tu que deixaste a porta aberta.

E quanto aos polícias, que elogias e bem, sei onde queres chegar. Queres ser apanhado a fazer cavalinho com a lambreta e em vez de uma coima queres uma continência. Está certo. O Manuel a chegar a casa com a escolta. Vinte motas da polícia para um Manuel em cima de uma trotinete partilhada. És bastante esperto.

Não faças é pouco dos passes sociais que, apesar de terem sido uma política para agradar aos passageiros, agradaram mesmo. Aproveita mas é para me percorreres com estas borlas. Pega na Caetana e descubram-me. Olha que eles não tarda aumentam outra vez tudo e depois só podes ir um dia a Mafra de lua de mel.

Por fim, Manuel, dizes que daqui por 5 anos estás a entrar no mercado de trabalho e pedes que te ajude a ajudar-me. Manuel, tu estás a pedir-me uma cunha?

Aceita um abraço meu e não ligues aos que te criticam. É inveja. Também queriam, aos 17 anos, ser amigos de um país. Se quiseres podes adicionar-me no Whatsapp, porque isto de cartas é do tempo da outra senhora. O meu número é +351 351 351 351

Do teu,

Portugal