Call-centers em greve por melhores salários: Patrões perguntam se podem esperar enquanto verificam essa situação

Parece que se virou o feitiço contra o feiticeiro. Os trabalhadores dos call-centers estão esta quinta-feira em greve por melhores salários. Os patrões já responderam, mas perguntaram apenas se ps trabalhadores podiam aguardar enquanto eles verificavam essa situação.

“Eu compreendo, senhor Simplício, tem oportunidade de aguardar enquanto eu verifico essa situação? Muito obrigado…”, respondeu há instantes o administrador da TeleTortura, um dos maiores call-centers do país.

“Isto é uma vergonha! Estamos há anos a pedir mais justiça. Já telefonámos, já mandámos cartas, hoje estamos inclusivamente a fazer greve e nada…”, reclamam os trabalhadores de outra empresa, depois de contactarem a linha de apoio da administração. “Eu percebo perfeitamente a sua situação, mas eu aqui não posso fazer nada, tem mesmo de ser com os meus colegas”, respondeu o administrador.

“Mas o senhor é o administrador!”, insistiram os trabalhadores. “Exactamente, eu compreendo, mas aumentos de salários é com os meus colegas da assistência técnica”, explicou o administrador.

“Mas os colegas da assistência técnica não sabem nada de salários nem sequer têm esse poder!”, lembram os trabalhadores. “Exactamente por isso. Mais alguma questão em que eu possa ser útil?”, conclui o administrador.

“Não, era só isto”, lá acabam por desistir os trabalhadores. “Muito obrigado, no final desta chamada tem um questionário que pedíamos, se fosse possível, que respondesse… Numa de escala de 0 a 10, em que 0 é excelente e 10 é magnífico, como classifica o seu patrão?”.