Adeptos da moda vintage preparam-se para entrar em 1918

[the_ad id=”10494″] “Querida, foste buscar o petróleo? Não pode faltar luz na noite da passagem de ano, olha que vamos ter cá o xerife e o governador”, afirmava há pouco Simplício, um adepto da moda vintage. “Não fui buscar o petróleo porque mandei comprar lâmpadas incandescentes com os 20 ouros que ganhaste na devolução do IRS real”, respondeu Simplícia. “Mas sabes que eu não gosto de modernices, Simplícia, que chatice, não estou para ser cobaia de tecnologias novas”, concluiu Simplício, antes de sair para comprar petróleo. “Simplício, onde vais a esta hora? Cuidado com a gripe espanhola…”, ainda gritou Simplícia.

Recorde-se que os adeptos da moda vintage preparam-se para entrar no novo ano de 1918, isto apesar de já estarem a gostar da patine de 1917. “Claro que à medida que 1917 vai ficando para trás, vai ficando com mais valor”, explica Simplhicio, outro adepto do vintage.

Entretanto, a moda neste réveillon de 1918 é a retroselfie. “Um de nós fica com o cabo da máquina na mão, depois vamos todos para o campo da fotografia, carrega-se no botão, dá-se uma enorme explosão e com sorte depois dará para ver alguma coisa”, explica um fotógrafo que acaba de inaugurar o seu estabelecimento comercial na Rua da Prata.