Sábado, Maio 28, 2022
InícioOpiniãoVeja, por favor, se não foi enganado

Veja, por favor, se não foi enganado

Isto do preço dos combustíveis tem alguma graça. Bom, desde logo para quem vende os combustíveis. E não falo do dono da bomba, mas do dono da bomba que enche a bomba, se é que me faço entender.

Nós, os portugueses, sempre fomos bastante furtados na estrada. É verdade que não precisamos de sair de casa para ter de pagar, mas na estrada é particularmente visível a subtracção. Como já disse várias vezes, a culpa é do povo. Tantas vezes disse “vão mas é roubar para a estrada”, que foram mesmo.

- Publicidade -

Ora, vamos lá. Os portugueses são aquele povo que pode observar, em bonitos e electrónicos painéis nas auto-estradas, o preço dos combustíveis ao longo do caminho, em tempo real. Tal informação permite escolher, então, o posto mais económico. Sucede, por lamentável conjugação astral, que os preços são sempre rigorosamente os mesmos, desde o primeiro dia. Da minha incompleta passagem por uma faculdade de Direito, recordo-me de esta conjugação não ser considerada astral. Mas a minha faculdade de Direito era a da Universidade de Lisboa, pelo que podia, já naquele tempo, o corpo docente andar mais interessado no corpo discente. E quando não se tem atenção nas aulas…

A verdade é que combinam os preços nas nossas barbas e o que fizemos nós? Aquilo que, mais coisa menos coisa, fazemos sempre. Nada. Pagámos e calámos. É a vida. São “eles”. Devíamos fazer uma nova religião em torno de um deus Eles, que tememos e adoramos.

Entretanto, o simpático executivo, que está há anos a explorar a exploração com os combustíveis, meteu a mão na consciência – num gesto que já pode fazer parte das cerimónias em honra d’Eles – e diminuiu o imposto, pregando aos fiéis o valor da poupança. Lamentavelmente, as petrolíferas não são crentes e por isso encaixaram parte do desconto, aparecendo então nos postos um valor superior àquele que foi prometido. É milagre.

Fulo, o primeiro-ministro vai ao Twitter dizer que já baixou os preços e pede então ao povo que verifique com atenção a factura. Costa pede isto porque já sabia que tinha sido enganado. Mas quer que o povo olhe para a factura com a mesma cara de parvo com que olha para os painéis das auto-estradas ou prefere que o povo ponha, desta vez, outra cara? Pode experimentar-se o espanto.

Determinado a defender o seu povo, Costa joga então o trunfo da ASAE. A ASAE está atenta, garante. Ah, bom. Imagino as pernas das petrolíferas a tremer com a ASAE, pobre autoridade, que nem tem grande margem para intervir. Mas ainda que interviesse, pronto, levantava um auto que os departamentos jurídicos das petrolíferas teriam o maior gosto em contestar; e a decisão, com sorte, chegava quando já se tivesse acabado o petróleo no planeta.

O problema – e estou a terminar, se chegou até aqui tem um desconto de 6 cêntimos/litro – é que os governos não põem esta gente toda em sentido, nem este governo nem os anteriores e provavelmente o próximo também não. O Estado, quando as companhias passam a ter alguma dimensão, encolhe-se. Ao ver que o desconto do imposto não foi reflectido no preço dos combustíveis, o Governo podia ter metido logo a autoridade tributária em acção, abria os processos e ficava tudo impedido de aceder a fundos, apoios e qualquer tipo de benefícios – incluindo bazucas – fosse qual fosse a área, nomeadamente as bem-aventuradas renováveis. Acabava-se logo ali a brincadeira. E é isso que acontece a qualquer desgraçado que tente ludibriar o Estado: é liminarmente condenado ao degredo.

Mas não. O primeiro-ministro mandou o povo ir ver a factura com atenção, como já vê com atenção os tais painéis. E mais: também mandou a ASAE. Pode ser que o combustível esteja fora de prazo.

ARTIGOS RELACIONADOS
- Publicidade -

Últimas