Terça-feira, Dezembro 6, 2022
InícioOpiniãoÚltimos Jogos Olímpicos, os próximos já são Holísticos

Últimos Jogos Olímpicos, os próximos já são Holísticos

Os Jogos Olímpicos terão começado por volta do séc. VIII a.c., na Grécia. Ou seja, há sensivelmente 2800 anos. Foram sofrendo mudanças, a maior talvez seja os Jogos Olímpicos da era moderna. É assim a grande transformação. Ora, com tanta história, dir-se-ia que os jogos estavam aí para ficar, mas suspeito que estejam de partida. Depois da era moderna, dificilmente sobreviverão a esta era uma vez. 

A Humanidade descobriu, 2800 anos depois, que a alta competição pode provocar stress, ansiedade e depressão nos atletas. De facto, nunca os vi terminar uma maratona com minis na mala de um carro, como vejo nos runners. Quem conquista medalhas festeja, torna-se herói e dá a volta com a coroa de louros, os outros, derrotados após tanto treino e tanto esforço, em princípio estarão na merda. Faz parte. Até ontem, pelo menos, porque agora parece que é uma crueldade. 

Tudo começou com o desabafo da ginasta Simone Biles, por cá tivemos o pedido de desculpas da Auriol Dongmo. Tremendas atletas. Esta última pediu desculpa por não ter conseguido um resultado melhor, razão para alguns questionarem a “pressão” que se coloca em cima dos atletas. Pressão? Claro que há pressão, é uma competição. Se calhar devíamos ter pedido aos nossos atletas para trazerem medalhas ou, em alternativa, uma lembrança do Japão. Vamos todos receber o grande Simplício ao aeroporto, que não chegou às medalhas porque teve saudades dos gatos, mas alcançou uma colecção de origami e duas garrafas de saké no duty free, à vinda.

A pressão existe sempre que se procura o sucesso e a glória, seja em que actividade for, não é apenas nos Jogos Olímpicos. E o chef de cozinha que quer três estrelas Michelin? A artista que quer entrar nas novelas? Os políticos que não vencem eleições? A empresa que não consegue vender os seus produtos? O autor que não convence nenhum jornal a publicar as suas crónicas? O jogador que não encanta os adeptos? A juíza que não consegue estar segura da sua decisão? O advogado que não recebe nenhum caso à sua altura? A pastelaria que continua com menos fila que a da frente? 

Só não sente pressão ou ansiedade com resultados quem não se põe à prova, esses admiráveis génios que optam por uma vida frugal, sem pretenderem ser necessariamente alguém. E mesmo estes, agora que penso nisso, levam com os olhares desiludidos da sociedade que impõe o sucesso, sob pena de exclusão. Por isso tantos fogem para o campo. Porque a natureza não exige nada. Mesmo quando o gado nos olha fixamente, não nos está a julgar, avalia apenas as nossas intenções, porque o último parecido connosco meteu-lhe pelas partes um braço, até ao ombro.  

Sucede que apareceu uma espécie de movimento em defesa dos atletas, constituído por activistas contra a pressão que sobre eles é exercida. Retirem portanto a componente de competição. Ou inverta-se a competição. Saltou mais que os outros todos, podendo causar-lhes uma alteração de humor? Vai para último. Não saltou para não ofender ninguém? Ouro. 

E assim, talvez me ocorra uma salvação para os Jogos Olímpicos, mas é preciso transformá-los em Jogos Holísticos. Para além da componente desportiva, entra muito mais em competição. O atleta sentiu-se pressionado? Alguém lhe pediu uma medalha? É perseguido por um ditador? Quis competir de gabardine e não o deixaram? Como foi a infância do atleta? Contas feitas, nos Jogos Holísticos, o bronze pode ser o novo ouro. 

OUTROS ARTIGOS

Mais Recentes