Portugueses desenvolvem capacidade de ler notícias inteiras em meio segundo, antes de aparecer o Nónio

Muitos criticam o Nónio, considerando o maior ataque ao direito à informação desde os pop-us de apostas desportivas, mas a verdade é que é graças a ele que os portugueses estão a adquirir competências que mais nenhum povo no mundo tem.

Assim, muitos portugueses são já hoje capazes de ler uma notícia inteira em meio segundo, antes de aparecer o Nónio.

“Eu ia fazendo refresh e ia lendo parágrafo a parágrafo, mas quando dei por mim já conseguia ler tudo de uma vez”, explica Simplício, que agora lê tudo a uma velocidade louca. “Estou mais rápido que o professor Marcelo, não desfazendo”, acrescenta.

Certo é que, ainda esta manhã, enquanto esperava pelo autocarro, leu todos os clássicos da literatura portuguesa. Se estivesse à espera de um comboio, tendo em conta os atrasos, podia ter lido toda a literatura mundial.

“Estou muito agradecido ao Nónio, porque à conta disto o meu patrão deve aumentar-me, porque esta competência é muito útil”, conclui Simplício, que lê reclamações num operador de telecomunicações.

“E o mais curioso”, Simplício ainda quer dizer mais qualquer coisa, “é que eu nem queria ler a notícia, porque para mim bastavam-me os títulos e às vezes até era demais, mas uma vez que eles não querem que eu leia, então eu leio tudo”.