Parece o jantar de Natal da empresa: No dia dos namorados, os poliamor chegam a marcar mesa para 60 pessoas

Apesar dos benefícios dos poliamor, o dia dos namorados acaba por ser uma dor de cabeça, com os poliamorosos a marcar mesa para 60 pessoas e às vezes mais. “Numa ocasião, em que eu estava em altas, tive de fazer o jantar na FIL, éramos mais de 800”, recorda Simplício. 

Assim, como se imagina, nem sempre é fácil conseguir-se mesa. “É que os casalinhos convencionais, que querem uma mesinha só para eles, acabam por condicionar os espaços”, lamenta. 

Certo é que há quem compare estes encontros do poliamor no dia dos namorados aos jantares de Natal das empresas, não só pelo número mas também porque há pessoas que só se vêem ou com quem apenas se conversa nesse dia.

“Sim, estas alturas também são boas para nos conhecermos todos e termos alguma intimidade, porque no dia-a-dia torna-se difícil e há inclusivamente poliamorosos que estão noutras instalações do casal”, esclarece Simplício, que este ano também reservou dois motéis inteiros. 

“Não sei se as jornadas mundiais da juventude metem tanta gente”, brinca.