Greve dos combustíveis: Dispara o carjacking de carros eléctricos

“Isto é um assalto, queira abandonar a viatura imediatamente, se fizer o favor, desde já obrigado e desculpa”, afirmava há instantes um indivíduo que está a levar a cabo o seu primeiro assalto. 

“Oh! Um assalto, o senhor larápio não deve ter percebido, mas este veículo é eléctrico, não o deve pretender, seria a primeira vez que roubavam um carro eléctrico”, respondeu o automobilista, bastante calmo. 

“Tem toda a razão, mas neste caso é mesmo um veículo eléctrico que eu ando à procura, portanto, faça o favor de sair do carro, não me obrigue a ser malcriado e ter de o balear”, insistiu o larápio. 

“Bom, nesse caso, eu vou fugir e pânico, mas depois não diga que eu não o avisei, olhe que tem pilha para… deixe cá ver, para 20 quilómetros, mas se liga o rádio já só vai até à rotunda”, explicou a vítima, numa altura em que abandonava a viatura. 

A greve dos motoristas de matérias perigosas, com os efeitos que está a ter ao nível do fornecimento de combustíveis, levou a um aumento de um crime inédito que é o carjacking de carros eléctricos.