GNR do Parlamento teve de pedir escolta para não ser interrompido pelo assessor do Livre

São agora dois os GNR que estão no local onde até há uma semana estava apenas um. Isto porque um está a fazer escolta a outro, para não ser interrompido no seu trabalho pelo assessor do Livre, que estava sempre a chamá-los. 

“Socorro! Onde é que está o senhor polícia! Socorro”, gritava Rafael no final desta semana, lançando o pânico na Assembleia. “O que foi? O que se passa?”, acorreram várias pessoas. 

“Era um, era um, era um…”, soluçava o assessor de Joacine. “Era o quê? Tenha calma!”, apelavam as pessoas já à volta. “Era um jornalista! Enorme! Vinha assim com o microfone apontado… pensei que ia responder!”, explicou Rafael. 

Depois de várias chamadas do Livre, o polícia teve então de começar a ser escoltado. “Socorro!”, grita novamente. “O que foi agora?”, perguntaram algumas pessoas. “Está a chover, a chover muito, onde é que está o Guarda porque a Joacine não é à prova de água”.