Fundadores do Chega tentaram entregar assinaturas no Tribunal Constitucional mas não foi possível porque a funcionária disse Basta

Um grupo de fundadores do Chega deslocou-se esta quarta-feira ao Tribunal Constitucional para entregar as assinaturas necessárias para a formalização do partido.

No entanto, o grupo não teve sucesso, na medida em que a funcionária do Tribunal Constitucional disse basta.

“Tratou-se no fundo de uma confusão derivada do nome e que impossibilitou todo o processo, vamos agora repensar isto e talvez voltar com outro nome”, explicou Simplício, um dos fundadores do Chega, “oxalá não se preciso repetir as assinaturas só por mudar o nome”.

Entretanto, o Imprensa Falsa tem a transcrição da conversa entre a funcionária do Tribuna Constitucional e André Ventura, a principal cara do Chega.

  • Boa tarde, nós estamos aqui para entregar as assinaturas necessárias para a formalização do nosso novo partido.
  • Boa. Ainda bem. Vamos lá a isso. Há mais de uma semana que não formalizo um partido. Qual é o nome do teu?
  • Chega!
  • Ó querido, ainda agora começou. Pensas que isto formalizar um partido é como tirar o cartão do cidadão? Tenho muitas perguntas para fazer.
  • Não, percebeu mal. Não foi isso que eu quis dizer.
  • Ui. Ainda não tens partido mas já tens conversa, já andas no diz que disse. Vamos lá. O nome pretendido para a força política…
  • Certo. Pronto, então cá vai: Chega!
  • Mas filho, tu cansas-te logo. Isso será apneia?
  • Por favor! Eu não me canso, é este o nome do partido, é Chega, o partido chama-se Chega.
  • Vais chamar ao teu partido Chega? É isso?
  • Justamente.
  • Mas isto é um partido ou uma luta de gado bravo? Porque se é luta de gado tens de ir ao Ministério da Agricultura.
  • Não está a perceber…
  • Lá vamos nós.
  • “Chega” é para dar aquela ideia de mudança, de as coisas não podem continuar como estão, esta roubalheira, isto tudo, Chega.
  • Basta!
  • Mas como assim? Tinha dito que era um processo demorado….
  • Ah, estás a ver? Também caíste. Eu estava só a dizer Basta, que é o partido que eu apoio.
  • Mas não há nenhum partido Basta!
  • Para já há tantos Basta como Chega, querido, porque isto ainda tem de ir ao programa da Cristina para aprovação, não é só chegar aqui com as assinaturas.
  • Chega!
  • Isso agora foi propaganda ou agora estás mesmo cansado? Olha que não é permitido comícios no Tribunal Constitucional.
  • Não. Chega, vou-me embora. Não estou para isto. Não aguento mais.
  • Calma, devagar, isso são ramificações do partido? Tens de dizer devagar, porque eu tenho de apontar tudo, que a Cristina é muito certinha e se as coisas não vão bem manda logo para trás.
  • Parece impossível!
  • Isso é o quê, a juventude do Chega? Já te estou a ver, o senhor do Chega com os jovens do Parece Impossível atrás.
  • Vamos neste momento embora!
  • Vão mesmo ou isso é o lema das europeias?
  • Não! Vamos mesmo embora!
  • Então força, não é o brexit, não é preciso negociação.
  • Boa tarde.
  • Olha, aí tens um nome bom para um partido contra o acordar cedo. Boa tarde!