As melhoras para Merkel

A chanceler alemã voltou a sofrer tremores durante uma cerimónia oficial. Já quando tremeu da primeira vez, logo se deu início aos boatos, às especulações. Porque, hoje em dia, neste mundo histérico, não se pode tremer por tremer. Uma pessoa não pode apetecer-lhe abanar-ar-ar-se-se-se. Não! Aparecem logo os doutores do Google a fazer diagnósticos. 

Seja o que for, certo é que que nós, se governássemos a República Federal da Alemanha há 14 anos, não tremíamos apenas ocasionalmente por estarmos de pé a ouvir um chato a discursar. Nós havíamos de parecer martelos pneumáticos-cos-cos-cos-cos-cos-cos. Angela Doroteia Merkel está há 14 anos à frente da Alemanha e só treme ocasionalmente, passando boa parte do dia quieta. Recorde-se que Merkel tomou posse em 2005. Para termos noção, João Félix valia nessa altura apenas 126 euros, que era o abono de família. 

O leitor pense na sua idade há 14 anos. Pronto, Merkel estava então a pegar ao serviço e não era a vender Bimby’s, era a vender Bimby’s, BMW’s, Mercedes, Bosch, Siemens, Bayer’s, Volkswagens, chucrute, etc..

Mas Merkel não está apenas à frente da Alemanha, está também mais ou menos à frente da Europa. Uma Europa que, vá lá, tem dado uns problemas. Merkel podia tremer assim só pelos 14 anos à frente da Europa. Nos mesmos 14 anos, França – que é quem alterna a gestão do condomínio da Europa com a Alemanha – teve 4 presidentes. Foram precisos 4 homens para fazer o trabalho de uma única mulher. Partindo desta lógica, o planeta tem um excedente macho que pode ser responsável, sozinho, pelas alterações climáticas e assim pelo calor que se faz sentir por estes dias na europa central. 

É verdade que dos 4 presidentes de França, nenhum acabou com tremores em público. O mais perto disso só Carla Bruni que também se tremia toda quando a polícia entrava pelo apartamento de Sarkozy. “Ai Nicolas-as-as-as-as é outra vez a bó-fi-fi-fi-fi-fi-fi-a”. 

Posto isto, julgo ser precoce e dispensável diagnósticos apressados sobre o que se passa com a chanceler alemã, uma pessoa com motivos mais do que suficientes para vibrar sem razão aparente. A fazer algum diagnóstico, parece-me que Merkel apenas se lembra de Sócrates a falar inglês e tem de se rir para dentro porque está numa cerimónia oficial.